►Faça o Download do roteiro Aqui▼

           A Peça é desenrolada com 4 personagens ativos e atores para o Jogral, dependendo da equipe de teatro seria interessante utilizar o maior número de pessoas possível. Fala a respeito do valor que muitas vezes as mães esperam receber mas infelizmente os filhos e maridos não tem o mesmo pensamento. Este roteiro é LIVRE para alterações, fique à vontade para fazer uma bela apresentação. Não foi inserido versículos bíblicos, mas caso queira, deixo algumas sugestões:
"Igualmente vós, maridos, coabitai com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós os seus co-herdeiros da graça da vida; para que não sejam impedidas as vossas orações." 1 Pedro 3:7
"Toda mulher sábia edifica a sua casa; mas a tola a derruba com as próprias mãos." Provérbios 14:1
 "Vós, maridos, amai a vossas mulheres, e não vos irriteis contra elas." Colossenses 3:19
"Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR teu Deus te dá." Êxodo 20:12
 ...........................................................................................................................................


ROTEIRO:
(Dentro do ambiente familiar, sala ou cozinha)

Junior: Cadê a mulher dessa casa?

Aline: aqui ela (Chega cheia de pose)

Junior: Não... eu perguntei da mulher inteira! Não só a metade dela!

Aline: Ah Junior! Tem é inveja da minha beleza...

Júnior: Mãããeee?!!!

Aline: Ai menino deixa de gritaria!! A mamãe não está! Ela saiu cedo.

Júnior: Cedo? Onde ela foi?

Aline: Se você acordasse cedo saberia.

Júnior: Paaaaaaaaiiiiiêee!

Aline: Agora pronto... o menino ficou maluco!

Júnior: Fala isso porque agora tu já cresceu, mas quando era que nem eu fazia pior.

Aline: Nem vem que eu nem precisava da minha mãe!

Júnior: Não Precisava?

Aline: Não!

Júnior: Eu duvido!

Antônio: Calma, calma, qual o motivo da discussão?

Junior: A Aline tá dizendo que a mamãe não ajudava ela quando era pequena.

Antônio: Mas como você diz uma coisa dessa menina? Da sua mãe.

Helena: Hei... o que tem eu?

Aline: Mãããee! O que a senhora trouxe pra mim? Ah mãe, vem ver uma coisa que eu fiz... vem mãe... (tirando de cena)

Antônio: Junior, me conta essa história direito.

Júnior: A Aline que disse pra mim que não precisava da mamãe quando era pequena. É verdade?

Antônio: Claro que não. Se a sua mãe não ajudasse ela, nem estaria viva hoje.

Júnior: E por que ela disse que não ajudava?

Antônio: Infelizmente ela pode ter esquecido do que sua mãe passou e fez por ela. Desde quando a carregava no seu ventre, nas dores do parto, nas noites sem dormir, na paciência para cuidar... até que hoje ela conseguiu seu objetivo, que era ensinar a Aline a se cuidar só. Você ainda precisa dela, que ainda é criança, mas a Aline já pode cuidar dela mesma.

Júnior: Por que as pessoas se esquecem papai?

Antônio: Eu não sei meu filho! Não sei.

Júnior: Você lembra da vovó?

Antônio: Claro que lembro... a mãe era tudo pra mim. Tudo o que sou hoje não existiria sem ela. Sempre foi paciente comigo e nunca me deixou fazer o que é errado. Mas mesmo assim eu fazia. (rindo)

Júnior: Pai, o senhor era desobediente?

Antônio: Sim, muito! Sempre fazia as coisas erradas e levava uma surra. E ficava com raiva dela... Mas se não fosse aquelas surras nem sei onde estaria hoje.

Júnior: Então quer dizer que pra eu ser uma boa pessoa tenho que apanhar muito?

Antônio: Não Meu filho. Você sendo obediente não precisará apanhar e mesmo assim será uma pessoa muito melhor que eu.

Júnior: Melhor que você? Então serei igual a mamãe?

Antônio: Heeey... não disse que sua mãe é melhor que eu.

Júnior: Mas a vovó era melhor que o vovô?

Antônio: Tu quer me confundir garoto (rindo)

Helena: Você me vem com cada história Aline. Não e não! Já disse que você não vai!

Aline: Ahh mãe a senhora é muito chata! Antiga! Hoje em dia a gente tem que sair pra se divertir...  

Helena: Não e não.

Aline: Paaiii....

Antônio: O que foi dessa vez?

 Aline: A mamãe não deixa eu ir dormir na casa da minha amiga sábado. Ela só quer mandar.

Antônio:  Vai minha filha...

Helena: De novo! Toda vez é isso, eu tento ensinar uma coisa e você vem e derruba tudo.

Antônio: Deixa ela ir Helena. Ela já é uma mocinha.

Helena: É uma mocinha, mas ela tem que merecer as coisas, e ultimamente ela não está merecendo.

Antônio: Então tá, se você diz, Aline não vai.

Aline: Ahh paiii...

Helena: Ouviu, você não vai (saindo de cena e Aline atrás)

Júnior: E agora pai, quem está certo, o senhor ou a mamãe?

Antônio: Ela novamente. Se não fosse ela vocês não seriam bons filhos, assim como sua vó.

Júnior: Mas ela não deixou a Aline ir. Como está certa?

Antônio: É sabedoria de mãe. Está ensinando Aline a ser mulher de responsabilidades. Eu como pai não consigo fazer isso sozinho.

Junior: O que seria de nós sem a mamãe néh pai?

Antônio: (Para pra refletir)

Junior: Pai?

Antônio: Sim filho, você está certo!

Aline: (entra em cena pra fazer algo)

Antônio: Aline, venha aqui.

Aline: Oi pai.

Antônio: Quero que você trate melhor e respeite mais a sua mãe.

Aline: Mas pai ela não deixa eu fazer nada.

Antônio: Ela sabe o que é melhor pra você. Jamais despreze um conselho da sua mãe. A cada dia que passa, mais aprendo com ela, e gostaria que você aprendesse também.

Aline: Como aprender com ela?

Antônio: Faça o Seguinte: Comece a observá-la, quando ela briga com você ou quando diz pra não fazer alguma coisa. Veja o porquê ela não permite que você faça aquilo... observe.

Aline: Mas pai...

Antônio: Sua mãe quer apenas que nós sejamos uma família feliz. Tudo o que ela quer é que você seja uma pessoa melhor que ela. Tá fazendo o papel de mãe. Você sempre foi muito rebelde com ela, nunca quis obedecer. Nunca se deu bem, e parece que não a ama. Você deve pedir perdão pra ela.

Aline: E o senhor papai, toda vez que chega do trabalho discute com ela. Quantas vezes ela teve que dormir chorando porque o senhor veio estressado do trabalho e descontou tudo nela.

Antônio: (...)

Aline: E mais papai, quantas vezes ela lhe pediu pra comprar roupas novas e você disse que não tinha dinheiro? E foi gastar com amigos.  Quando foi a última vez que você foi passear com ela? Quando foi um bom marido? Eu não sou uma boa filha, mas o senhor não é um bom marido também.... (sai irritada)

Antônio: (...)

Junior: O que o senhor tem pai?

Antônio: Nada não. Deixa pra lá.

Junior: Deixa pra lá?

Antônio: Não sei o que seria de nós se ela um dia nos deixasse...

Junior: E não quero perder a mamãe.

Antônio: Nem quero pensar nisso. Vamos dormir, vem filho!

(...) Take Cena

Aline: (chorando) Mããããeee... mããããe..... porque a senhora teve que ir? Por quê? Por quê? Me perdoa mãe, por tudo que eu te fiz, por desobedecer, por não respeitar a senhora....

Junior: Aline, porque você está chorando mana?

Aline: A mamãe... ela... ela... morreu.

Júnior: (chora) mãããee... cadê a senhora mãe. Mãããee (A procura desesperadamente)

Aline: Não adianta junior, a mamãe não está mais aqui.

Junior: (Chora) (Os dois vão ao fundo da cena enquanto Antônio se aproxima)

Antônio: Heleeeeena... eu te amo!! Eu não sei o que vai ser de mim sem você!! Me perdoa por tudo amor.... volta, volta... vai ser diferente daqui pra frente. Eu vou amar, respeitar, cuidar e te fazer uma mãe feliz... Voooolta... (chorando)

--- Jogral  (nas laterais para o meio)

Grupo 1: Não há dor maior que perder uma mãe!

Grupo 2:  Não há dor maior que perder quem nos ama de verdade!

Grupo 3: Toda mãe sabe amar de verdade.

Grupo 2: Você não vai perder sua mãe!

Todos: Ela vive, está sempre com você!

Grupo 1: Filho, ela te ama!

Grupo 2: Filha, ela te ama!

Grupo 3: Marido, ela te ama!

Todos: Mãe, eu te amo!

Pessoa 1: Hey, até quando você vai ficar nessa de Não honrar sua mãe.

Pessoa 2: Até quando a sua mãe vai ser sua empregada.

Pessoa 3: Quando ela vai ser feliz em ter filhos obedientes?

Grupo 1: Aos maridos, cadê o amor? Cadê a essência do matrimônio?

Todos: Ainda não é o fim.

Grupo 3: Nem o seu, nem das mães;

Pessoa 2: Ainda dá tempo de obedecer.

Pessoa 3: Obedecer a quem te carregou no ventre por 9 meses.

Pessoa 1: Ainda da tempo de respeitar.

Pessoa 3: Respeitar quem cuidou de você desde que veio ao mundo.

Pessoa 2: Ainda dá tempo de Amar.

Todos: Quem daria a sua vida por amar você!

Antônio: Ahhhh (espantado) Que pesadelo!! Era um Sonho! Helena, amor... (saindo)

(black out-trilha sonora)

Helena: Filha... acorda. Tá na hora da escola.... (...) Filho... vamos levantar.... Amor, o café está na mesa.

(black out)

Helena: Filho, seu quarto está arrumado (...) amor, onde estão suas roupas sujas? (....) Filha, tá precisando conversar?

(black out)

Todos: Mãe é isso, e muito mais! Ela merece AMOR, VALOR, HONRA e um FELIZ DIA DAS MÃES!

AUTOR: RENIER ROCHA

#FIM#

4 comentários:

Não utilize palavras de baixo calão ou algo que venha denegrir a imagem de alguém. Grato!

 
Top